Arquivo da Categoria: Textos

Dia do Bocado

Hoje, em São Tomé e Príncipe, comemora-se o Dia do Bocado e não a Quarta-feira de Cinzas (primeiro dia da Quaresma no calendário cristão ocidental).

Datas coincidentes, mas a tradição indica que hoje em São Tomé e Príncipe, é dia de reunir a família e o elemento mais velho, coloca uma colher de comida (tipicamente calulú) na boca dos mais novos.

Tradição a desaparecer, indicação popular, sem dados reais a apoiar. Datas são datas, dependem sempre da importância que lhe damos, mas hoje é dia de acabar o dia mais cedo, aproveitar a tecnologia para estar com a família de lá e aproveitar para estar com a família de cá.

P.S. A interrupção letiva já acabou? 🤔🤔🤔

Paradoxos

Quando alguém diz que não come carne e não bebe vinho é peculiar ver a pessoa a almoçar uma jeijoada à boa moda portuguesa e beber vinho alentejano de Moura. Uma boa refeição, com pratos portugueses e influências santomenses consegue alterar hábitos alimentares. Uma alteração, que foi na verdade uma rendição aos bons sabores!

Mas a vida é muito mais complicada. Numa altura em que os carros já não necessitam de um condutor, novos paradoxos aparecem:

Agressão

A agressão (física, verbal, psicológica, …) não surge do nada. Quando não existe um futuro, o quotidiano é uma incógnita, a escola apenas serviu como um entretenimento, a reação a tudo que é diferente será sempre de desconfiança. Num mundo sem regras, sem educação, sem respeito apenas a agressão será um dado adquirido.

Citação

A frase "Devido à velocidade da luz ser superior à do som, algumas pessoas parecem inteligentes até as ouvirmos" continua a ser uma das minhas preferidas e uma procura no Google atribuí a sua origem a Albert Einstein.

Mas como diria Benjamin Franklin "Don't believe everything you read on the internet".

Quote

Admirável Mundo Novo

Em plena Revolução Digital os contrastes marcam a atualidade e as palavras tomam novos significados. Viral, já não é somente causado por um vírus, passando a significar algo que tem a capacidade de se espalhar como um vírus.  Vivemos num mundo global e pleno de tecnologia mas onde a razão e a lógica continuam a ser desafiadas diariamente.

30 de setembro - Dia da Nacionalização das Roças

Estar em São Tomé em São Tomé e Príncipe e não visitar, conhecer ou contatar com as roças é algo que só será possível numa realidade virtual.

São Tomé e Príncipe foi durante as duas primeiras décadas do séc. XX um dos maiores produtores mundiais de cacau, rivalizando com países como o Brasil (8514900 km²) ou o Gana (238530 km²), embora tenha uma pequena área superficial (≈1001 km²).

A produção de cacau e café motivou a criação das roças, optimizadas essencialmente para a produção destes produtos, que são atualmente um testemunho vivo da história do arquipélago.

O termo roça provém da expressão "roçar o mato", ainda hoje utilizada nos meios rurais de Portugal e que significa desbravar o terreno ocupado pela floresta (obô em São Tomé e Príncipe) e abrir clareiras propícias ao cultivo de café e cacau, principalmente.

As roças foram desde a sua criação até à independência de São Tomé e Príncipe, locais que visavam a eficiência e a produtividade, com regras próprias de funcionamento e, muitas vezes, autossuficientes.

foto roça

Roça Sundy -
Cavalariças (Príncipe)

Na época colonial, entre os proprietários mais significativos, encontramos as figuras de Francisco Mantero (fundador da Companhia Agrícola Colonial - Porto real, Água-Izé, ...), Jerónimo Carneiro (Sundy, ...) e Marquês de Valle Flôr (Rio Ouro - atual Agostinho Neto, Diogo Vaz, Fernão Dias, ...).

Em 1975 ocorre a independência de São Tomé e Príncipe e, em consequência deste processo, a nacionalização das roças / empresas agrícolas. Nas décadas subsequentes ocorre um progressivo abandono da atividade principal das roças, essencialmente uma estrutura especializada em monoculturas intensivas, evoluindo, na sua maioria, para espaços habitacionais e a atividade agrícola que existe é de subsistência.

Espaços de uma arquitetura admirável, com enorme potencial agrícola e turístico, necessitam de um novo rumo e futuro.