Arquivo da Categoria: Sei lá…

Burocracia - séc. XXI

Independentemente do formato, analógico ou digital, a mentalidade e o consumo de tempo permanecem inalterados. Numa forma Web 2.0, com mais ou menos requinte tecnológico, a capacidade de tornar o tempo um bem nulo, a burocracia tem crescido de uma forma perene e muito discreta. Orwell não teria criado uma forma mais subtil de controle camuflado de supervisão e aferição.

A ler: 6ª Feira, de Paulo Guinote

Mudança

Depois de mais de uma década em São Tomé, este ano letivo começa em Portugal. Novos hábitos, novas preocupações, novos problemas e uma sensação de recomeço. Um recomeço cheio de novidades: novos colegas, novos alunos, nova escola, novas formas de trabalhar, um sem número de aspetos e pormenores a compreender e interiorizar.

Após uma semana de aulas já é possível fazer comparações, embora ainda precoces; uma primeira análise revela que, sem dúvida, a globalização já alcançou o arquipélago de São Tomé e Príncipe, localizado no Golfo da Guiné e existe uma forte proximidade e comunhão de quotidianos entre os portugueses e os santomenses.

Hipnose

Pequeno texto escrito em 2008, em São Tomé. O que dizer atualmente, quase 11 anos depois, num mundo de olhos nos telemóveis?

Um restaurante, uma telenovela a dar na TV, duas cozinheiras e três empregados sentados em frente ao televisor totalmente alheados do mundo, olhos fixos na TV. Entram clientes, mas qualquer desculpa serve para dar uma olhadela ao desenrolar do enredo da novela brasileira. Espantoso o poder cativante das telenovelas brasileiras em STP. Um dos pequenos nadas que simbolizam o quotidiano em STP.

Locais

Existem locais que nos marcam! Uma afirmação algo banal, trivial mesmo. Espantoso como um regresso a um local nos traz inúmeras memórias que nos deviam alegrar. No entanto, em determinados momentos da nossa breve passagem por este planeta, esses mesmos locais conseguem nos lembrar que o que sentimos irreal é na verdade uma dura e triste realidade.

Por muito que custe a vida continua e o ritmo inexorável do tempo não perdoa. Aprender as lições e relembrar que, embora efémera, algumas pessoas que temos a felicidade de conhecer têm muito a nos ensinar.

José Saramago

Eu não gosto de falar de felicidade, mas sim de harmonia: viver em harmonia com a nossa própria consciência, com o nosso meio envolvente, com a pessoa de quem se gosta, com os amigos. A harmonia é compatível com a indignação e a luta; a felicidade não, a felicidade é egoísta.

Impossível vs. Improvável

Hoje é feriado em São Tomé e Príncipe. De São Tomé, o que fica dos Evangelhos é a célebre expressão: “ver para crer” (cf. https://pt.wikipedia.org/wiki/S%C3%A3o_Tom%C3%A9).

Não sendo apóstolos, mas autores consagrados, o que nos diz a literatura sobre o impossível e o improvável:


"Pode-se acreditar no impossível, mas nunca no improvável" - Oscar Wilde


"Depois de eliminado o impossível, o que resta, por mais improvável que seja, tem de ser verdade" - Sir Arthur Conan Doyle

Natal & Física

Famous Physicists Christmas Party

Kelvin was very cool.
Hollerith liked the hole idea.
Thomson enjoyed the plum pudding.
van der Waals forced himself to mingle.
Bohr ate too much and got atomic ache.
Watt turned out to be a powerful speaker.
Volt thought the social had a lot of potential.
Heisenberg may or may not have been there.
Compton was a little scatter-brained at times.
Einstein thought it was a relatively good time.
After one bite Chandrasekhar reached his limit.
Stefan and Boltzman got into some hot debates.
Hamilton went to the buffet tables exactly once.
Coulomb got a real charge out of the whole thing.
Chadwick was handing out neutrons free of charge.
While Fermat sang, 'Save the Last Theorem for me.'
de Broglie mostly just stood in the corner and waved.
Pascal was under too much pressure to enjoy himself.
The Curies were there and just glowed the whole time.
Everyone was attracted to Tesla's magnetic personality.
Hertz went back to the buffet table several times a minute.
Born thought the probability of enjoying himself was pretty high.
Pauli came late, but was mostly excluded from things, so he split.
Cavendish wasn't invited, but he had the balls to show up anyway.
Instead of coming through the front door Josephson tunnelled through.
Ohm spent most of the time resisting Ampere's opinions on current events.
For Schrodinger this was more a wave function rather than a social function.
Gamow left the party early with a big bang while Hoyle stayed late in a steady
state.
The microwave started radiating in the background when Penzias and Wilson
showed up.
Cauchy, being the only mathematician there, still managed to integrate well
with everyone.
Everyone gravitated toward Newton, but he just kept moving around at a
constant velocity and showed no reaction.
Millikan dropped his Italian oil dressing.
Hilbert was pretty spaced out for most of it.
Faraday had quite a capacity for food.
Wien radiated a colourful personality.
Rontgen saw through everybody.
Oppenheimer got bombed.

Infelizmente não tenho os dados do autor, mas no espírito da quadra, Boas Festas a Todos!!!