Arquivo da Categoria: Literatura

Impossível vs. Improvável

Hoje é feriado em São Tomé e Príncipe. De São Tomé, o que fica dos Evangelhos é a célebre expressão: “ver para crer” (cf. https://pt.wikipedia.org/wiki/S%C3%A3o_Tom%C3%A9).

Não sendo apóstolos, mas autores consagrados, o que nos diz a literatura sobre o impossível e o improvável:


"Pode-se acreditar no impossível, mas nunca no improvável" - Oscar Wilde


"Depois de eliminado o impossível, o que resta, por mais improvável que seja, tem de ser verdade" - Sir Arthur Conan Doyle

Ricardo Araújo Pereira - 2 conversas

A sensação que tenho – e se calhar estou a presumir mal – é que, como sinto que isso é verdade para mim, aquela coisa de que a vida parece sempre uma espécie de rascunho, uma espécie de pré-vida… (Ricardo Araújo Pereira), in http://www.revistaestante.fnac.pt/nuno-markl-entrevista-ricardo-araujo-pereira/

Público: Rir de barriga cheia com Miguel Esteves Cardoso e Ricardo Araújo Pereira

Revista ESTANTE: RICARDO ARAÚJO PEREIRA: “LEMBRAR AS PESSOAS QUE ELAS FAZEM COCÓ É UM SERVIÇO INESTIMÁVEL QUE PRESTAMOS”

Marcel Proust

Marcel Proust tem o mérito de ter escrito uma das obras-primas do século XX, o monumental Em Busca do Tempo Perdido. Um mundo a descobrir, viajando por milhares de páginas. Em pleno século XXI, os dias são em busca do tempo perdido, que a internet mais cara que conheço se encontra em modo "com sinal, sem acesso à Internet".

Cem Anos de Solidão

Muitos associam a Cem Anos de Solidão, de Gabriel García Márquez a frase inicial como uma das mais marcante da obra:

“Muitos anos depois, diante do pelotão de fuzilamento, o coronel Aureliano Buendía haveria de recordar aquela tarde remota em que o pai o levou a conhecer o gelo.”

No entanto, a minha preferida continua a ser:

"A inércia das pessoas contrastava com a voracidade do esquecimento, que a pouco e pouco, ia carcomendo, sem piedade, as recordações, ..."