Estudo "Novos contextos, novas exigências e experiência docente em tempos de pandemia"

Divulgação:

(...) Em particular e de distintos modos, os professores em Portugal tiveram de continuar a tarefa de educar crianças e jovens a partir de sua casa, para que as suas famílias não sofressem demasiado o efeito da pandemia COVID-19 e para que, pelo contrário, pudessem continuar a aprender e a lidar com a incerteza. Com o propósito de conhecer o modo como os professores/as portugueses/as vivem estas novas exigências, elaborámos este inquérito por questionário. As suas respostas farão parte de um registo histórico sobre como, em que condições e com que êxitos e fracassos os professores/as portugueses/as mantiveram o seu compromisso com a educação dos seus alunos/as.

Este inquérito por questionário, que esperamos poder enviar-lhes mais de uma vez nos próximos seis meses, tem como finalidade recolher a sua experiência pessoal nestas circunstâncias e conhecer o modo como mantêm contacto à distância com as equipas de direção, os pais e encarregados de educação, os/as alunos/as bem como exemplos de inovações pedagógicas que puderam realizar com ou sem apoio tecnológico, possibilidades do trabalho colaborativo, frustrações e satisfação profissional e o tipo de apoios que foram úteis ou que gostariam de ter tido.

Este estudo faz parte de um projeto internacional (a que se associarão professores do Chile, da Espanha, dos EUA, de Israel e do Uruguai) e é liderado por Beatrice Ávalos, Centro de Investigación Avanzada en Educación, Universidad de Chile. Em Portugal, o projeto é coordenado por Maria Assunção Flores e Ana Margarida Veiga Simão, numa parceria entre o Centro de Investigação em Estudos da Criança (CIEC), do Instituto de Educação da Universidade do Minho e o Centro de Investigação em Ciência Psicológica da Faculdade de Psicologia da Universidade de Lisboa. Neste sentido, convidamo-lo(a) a responder a um inquérito por questionário, cujo preenchimento demorará cerca de 15 minutos. (...)