Pelo Facebook

O século XXI é governado por dinâmicas não lineares, muito afastadas do mundo mecanicista preconizado pela Dinâmica de Newton ou pelas regras da Revolução Industrial.

Problemas complexos que requerem equipas multidisciplinares, soluções de compromisso que envolvem Ciência, Tecnologia, Ética, Direito, Economia, a título de exemplo e a capacidade de comunicar e colaborar procurando um futuro comum e sustentável.

Copiado do mural de António Dias Figueiredo no Facebook:

Talvez seja oportuno trazer hoje à memória uma afirmação de Stephen Hawking que às vezes recordo com alguma mágoa. Mágoa, porque estou convencido de que muito pouca gente lhe deu a importância que merecia. No início do século, no âmbito das muitas iniciativas que indagavam sobre o que deveria ser enfatizado na educação para o novo século, perguntaram a Stephen Hawking se o século XXI seria o século da Física. A resposta de Hawking foi que não, que o século XXI seria “o século da complexidade”. Passados dezoito anos, vendo que o pensamento que nos rodeia é cada vez mais linear, simplificado e mecanicista, pergunto se será preciso outro século e outro Stephen Hawking para percebermos que não vamos pelo bom caminho.